O IV Fórum de Gestão Pública, realizado em Curitiba, teve como tema o "Cenário Econômico e a Agenda BC#" e contou com a participação de diretores do Banco Central e representantes do cooperativismo de crédito

Durante o IV Fórum de Gestão Pública, realizado em Curitiba, pela Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (FACIAP), o presidente da Central Sicredi PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock, destacou o foco da instituição em iniciativas de educação financeira que possam contribuir com a inclusão e o desenvolvimento econômico e social das comunidades. “Nós criamos o programa de educação financeira com as oficinas do "Cooperação na Ponta do Lápis", além da parceria com a Mauricio de Sousa Produções, que desenvolveu os gibis da Turma da Mônica com conteúdos a partir da cartilha do Banco Central. Durante todo o projeto, recebemos também o apoio extraordinário de voluntários entre nossos colaboradores e lideranças que vão em direção às escolas e entidades para levar informações sobre finanças para mais pessoas”, afirmou o presidente.

Para Dasenbrock, as iniciativas de educação financeira estão ligadas ao propósito do Sicredi e a atuação comprometida com a pauta Social das práticas ESG (Environmental, Social and Governance), que ainda incluem a Governança, com a formação e capacitação também em relação à diversidade e inclusão, além do Ambiental com práticas sustentáveis. “Temos reforçado o financiamento de energia solar com ações de neutralização de carbono, plantio de árvores, ações de voluntários e estratégias dos nossos Comitês de Sustentabilidade”, destacou o presidente, que também lembrou a conexão do Sicredi com a Agenda BC#, que tem como pilares temas como Inclusão, Competitividade, Educação e Transparência, e foi estruturada pelo Banco Central para ampliar a democratização financeira.

A atuação do cooperativismo de crédito para levar conhecimento sobre finanças para as comunidades também foi destacada pelo presidente do Conselho de Administração do Sicoob Central Unicoob, Wilson Geraldo Cavina, pelo conselheiro presidente da Central Cresol Baser, Alzimiro Thomé e pelo diretor de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta do Banco Central, Maurício Moura. “A educação financeira colabora diretamente para a eficiência do sistema financeiro, além de fomentar a economia real sustentável. No Banco Central, estamos tratando de educação financeira há muitos anos, mas antes disso a gente já trabalhava com inclusão. Primeiro, preciso dar a oportunidade dos brasileiros estarem dentro do sistema financeiro, abrangendo o sistema nacional de cooperativismo de crédito”, contou Moura.

Banco Central destaca crescimento do cooperativismo de crédito

O diretor de Fiscalização do Banco Central, Paulo Sérgio Neves de Souza, destacou o crescimento do cooperativismo de crédito no Sistema Financeiro Nacional, especialmente em relação ao apoio oferecido aos micro e pequenos empreendedores. “A gente entende que o cooperativismo onde está situado, leva empreendedorismo para as pessoas e desenvolvimento regional”, afirmou o diretor que ainda destacou que o segmento tem grande capacidade de crescimento reforçada também pela renovação do marco legal do cooperativismo, Lei Complementar 130/2009, através do PL 27, que foi aprovado e segue para o Senado. “Se o cooperativismo olhar para dentro, para os cooperados, vai perceber que há potencial interno para triplicar a carteira”, garantiu.

Panorama econômico

Durante o evento, que também contou com a presença do vice-governador, Darci Piana, do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, demais autoridades e líderes empresariais, o presidente da FACIAP, Fernando Moraes, destacou a relevância do encontro para reflexão sobre o setor produtivo e a economia real no atual contexto de inflação crescente e insegurança econômica ainda decorrente da pandemia.

A importância dessas reflexões também foi apontada pelo diretor de Regulação do Banco Central, Otávio Damaso, como um movimento do Banco Central de conhecer cada vez mais o Brasil e interagir com todos os segmentos sociais e produtivos da economia. “É importante para o nosso trabalho, entender o que a sociedade demanda do sistema financeiro. Muitos avanços foram resultados dessas interações identificando em que a gente poderia melhorar”, comentou o diretor, que ainda trouxe um panorama sobre a inflação no país, impactada pela pandemia e ampliada com o conflito entre Rússia e Ucrânia. O representante do BC ainda destacou a nova legislação cambial e iniciativas da instituição como o Pix, o Open Finance, além da Agenda de Sustentabilidade.

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 25 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Facebook | Twitter | LinkedIn | YouTube |Instagram